Conselheiro Lafaiete

(31) 3761-4400

Praça São Sebastião, 35
São Sebastião - Conselheiro Lafaiete-MG

Barbacena

(32) 3339-6000

Av. Governador Bias Fortes, 381
Pontilhão - Barbacena-MG


Notícias

Novo decreto classifica atividades da construção civil como essenciais.


Texto ressalta que o funcionamento do setor deve atender às determinações do Ministério da Saúde. Atividades industriais também foram incluídas na lista.

O Governo Federal lançou um decreto que classifica as atividades de construção civil e industriais como essenciais durante a pandemia do novo coronavírus e, portanto, podem continuar suas operações durante a quarentena. Apesar disso, o texto ressalta que o funcionamento desses setores deve atender às determinações do Ministério da Saúde. 

O texto foi publicado na última quinta-feira (07/05), mesma data em que o presidente Jair Bolsonaro foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedir ajuda do Judiciário na reabertura das atividades comerciais em meio às restrições impostas devido ao atual estado de isolamento social.

Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, apesar dos programas governamentais lançados para auxiliar empresas e trabalhadores no período de três meses, durante a quarentena, talvez a indústria não consiga se manter com essa ociosidade e baixa demanda e a economia imploda antes.

Enquanto autoridades de saúde orientam a população e os governos estaduais a manterem as medidas de isolamento e distanciamento social para prevenir a disseminação do novo coronavírus, o presidente da República, Jair Bolsonaro, defende a retomada da atividade econômica. Representantes do setor industrial apoiam o presidente e afirmam que há uma crise profunda de demanda causada pelo fechamento do comércio.

“Se pudesse resumir e fazer uma caracterização, a indústria está na UTI e, para sair, precisa que ocorram as flexibilizações, de maneira que a roda volte a rodar”, declarou o presidente executivo do Instituto Aço Brasil e coordenador da Coalizão Indústria, Marco Polo de Mello Lopes, após a reunião com o STF.

Fonte: aecweb.com.br.