Conselheiro Lafaiete

(31) 3761-4400

Praça São Sebastião, 35
São Sebastião - Conselheiro Lafaiete-MG

Barbacena

(32) 3339-6000

Av. Governador Bias Fortes, 381
Pontilhão - Barbacena-MG


Notícias

Renegociações de aluguéis crescem nos últimos meses, devido à pandemia.


Levantamento realizado pela Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC) apontou que, nos últimos meses no Estado de São Paulo, um em cada cinco aluguéis residenciais passou por processo de renegociação. O resultado é consequência da crise econômica causada pela pandemia de coronavírus.

José Roberto Graiche Júnior, presidente da associação, informou que os descontos nos aluguéis variaram entre 10% e 50%, por períodos de aproximadamente três meses. Segundo ele, em 90% dos acordos, os valores foram reduzidos temporariamente e deverão ser repostos em parcelas nos próximos meses.

Para Graiche, esta renegociação evitou um aumento expressivo da inadimplência, que permaneceu baixa, mesmo com a crise. Antes da crise, os atrasos dos pagamentos de aluguel representavam, em média, 1,8% do total dos contratos de locação e, nos últimos dois meses, segundo ele, ficaram em 2,8%.

O vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo), Mark Turnbull, disse que a orientação é negociar, ressaltando que, para os donos, pode ser mais caro deixar a casa ou o apartamento vazio do que uma redução do valor do aluguel.

Conforme pesquisa do Secovi-SP, o número de dias que se espera até que se assine o contrato de aluguel referente a um apartamento é de 27 e 57 dias na cidade de São Paulo. Em 2019, esse tempo variava entre 24 e 49 dias. Para as casas, o Índice de Velocidade de Locação (IVL) aumentou de 18 a 43 dias no ano passado para 20 a 53 dias no último mês de abril.

Turnbull destaca que a crise vai definir os rumos dos aluguéis daqui para a frente. Mesmo os reajustes anuais dos contratos, que costumam seguir a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), devem ser repensados.

“O proprietário não vai fazer esse ajuste, ou vai fazer até metade disso”, afirma sobre o percentual do índice de inflação, que acumula alta de 7,24% nos últimos 12 meses. (Com informações da Agência Brasil)

 

 

Fonte: aecweb.com.br